CRIS MIRANDA

Artista visual nascida no Rio de Janeiro, Cristiana Miranda realizou diversos filmes experimentais exibidos em Festivais Internacionais de Cinema no Brasil, França, Espanha, EUA, Austrália, Argentina, México e Colômbia. Foi curadora da Mostra do Filme, no Rio de Janeiro, no ano de 2013, das sessões de filmes experimentais do Festival Cine Música, em Conservatória, em 2013 e 2012, júri do Festival International Signes de Nuit, em Paris, em 2013 e curadora/organizadora da Mostra de filmes experimentais Brasil França, Cinema e Poesia uma navegação entre névoas e sonhos, realizada na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro MAM/RJ, em 2013. Em 2015 organizou a primeira edição do DOBRA Festival Internacional de Cinema Experimental, primeiro festival de cinema especialmente voltado para a exibição de filmes experimentais e obras fílmicas expandidas da cidade do Rio de Janeiro. É professora do curso de Fotografia e Cinema da Universidade Estácio de Sá e aluna do doutorado no Programa de Pós Graduação do Instituto de Artes da UERJ, com pesquisa voltada para o cinema experimental e a memória da cidade do Rio de Janeiro.

 

16.04  I  sábado  I  17:30hs  I  Cinema do CIC 

contraponto
contraponto

press to zoom
contraponto
contraponto

press to zoom
1/1
Contraponto
I BRA I 3' I 16mm dupla projeção
 
"Uma síntese entre duas experiências temporais opostas. Meditações sobre a tirania e a volatilidade do tempo".


 

Vermelha é a luz do freio
Vermelha é a luz do freio

press to zoom
Vermelha é a luz do freio
Vermelha é a luz do freio

press to zoom
1/1
Vermelha é a luz do freio
2013 I BRA I 6'44" I 16mm 
 
"Pequenos gestos de uma longa despedida".
 
MAÇA COM SABOR DE GASOLINA
MAÇA COM SABOR DE GASOLINA

press to zoom
MAÇA COM SABOR DE GASOLINA
MAÇA COM SABOR DE GASOLINA

press to zoom
1/1
Maçã com sabor de gasolina
2012 I BRA I 12'57" I 16mm 
 
"Não se pode esconder a alma".

 

Para limpar lágrimas, Paulo Leminski
Para limpar lágrimas, Paulo Leminski

press to zoom
Para limpar lágrimas, Paulo Leminski
Para limpar lágrimas, Paulo Leminski

press to zoom
1/1
Para limpar lágrimas, Paulo Leminski
2008 I BRA I 10'07" I 16mm 

 

"A poesia de Paulo Leminski do ponto de vista de quem vê de dentro de um diamante, uma orquestração de relâmpagos, um poema de amor".